Introdução ao Direito Constitucional Regional Apontamentos para o seu estudo I

Autor:Arnaldo Ourique
Cargo do Autor:Licenciado, Pós-Graduado e Mestre em Direito, Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa
Páginas:52-55
RESUMO

O “Direito constitucional regional” é composto pelas normas constitucionais, por certos atos legislativas especiais dos órgãos do Estado e por determinados atos normativos dos órgãos próprios das regiões autónomas naquelas matérias que são corolário imperioso do princípio da materialização constitucional das normas programáticas relativas às regiões insulares autonómicas

 
TRECHO GRÁTIS
52
INTRODUÇÃO AO DIREITO CONSTITUCIONAL REGIONAL
APONTAMENTOS PARA O SEU ESTUDO I (
12)
SÍNTESE: O “Direito constitucional regional” é composto pelas normas
constitucionais, por certos atos legislativas especiais dos órgãos do Estado
e por deter minados atos normativos dos órgã os próprios das regiões
autónomas naquelas matéria s que são corolário imperioso do princípio da
materialização constitucional das normas programáticas relativas às
regiões insulares autonómicas.
1. Poderá falar-se de Direito constitucional regional? Sim, não só se pode com
rigor falar dele como, mais importante, é não é exagerada a palavra impossível não o
fazer. O conceito de Direito Constitucional há de sê-lo no sentido de Direito de
constituir e não de Direito político; hoje as constituições modernas, que se inclui a nossa
como modelo exemplar (pelo menos em teoria), são mais uma composição de garantias
dos cidadãos e não só a vertente da organização do Estado.
Mas dizendo Direito constitucional regional inserimo-nos num âmbito estrito da
Constituição política. O Direito Constitucional, claro está, num certo sentido é um
conjunto organizado de normas supralegais. Por isso quando dizemos Direito
constitucional regional referimo-nos ao conjunto de normas da Constituição que
regulam a autonomia política das regiões autónomas. Mas não só.
2. A Constituição da República Portuguesa possui um Título (com 10 artigos)
exclusivamente dedicado à autónoma política dos Açores e da Madeira. Mas esse título
organizativo é ilusório porque do princípio ao fim do texto constitucional várias são as
referências sobre aquelas.
Podemos dividir as normas constitucionais sobre as regiões autónomas (isto é o
Direito constitucional regional) em três blocos bem distintos:
A) as normas sobre princípios constituintes das regiões autónomas;
(12) Publicitado em 28-04-2005, como Caderno de Autonomia nº18.

Para continuar a ler

PEÇA SUA AVALIAÇÃO