Síntese dos acórdãos publicados na Colectânea de Jurisprudência CJ, Ano XXXVII, tomo V - 2012 CJ, STJ, Ano XX, tomo III - 2012

Páginas:221-257
 
TRECHO GRÁTIS
221
RPDC, Junho de 2013, n.º 74
RPDC
Revista Portuguesa
de Direito do Consumo
FICHEIRO Jurisprudência
Síntese dos acórdãos publicados na
Colectânea de Jurisprudência
CJ, Ano XXXVII, tomo V – 2012
CJ, STJ Ano XX, tomo III – 2012
ACIDENTE DE VIAÇÃO
Acórdão de 13 de Dezembro de 2012 – Tribunal da Relação de Guimarães
(Colectânea de Jurisprudência – ano XXXVII – Tomo V/2012, p. 292)
Auto-estrada / Animal / Intervenção das autoridades policiais / Danos não patri-
moniais
I. A presunção estabelecida no n.° 1 do art. 12.° da Lei 24/2007 é de aplicar indepen-

causas do acidente.
lI. A elisão da presunção referida em I, só será conseguida pela concessionária se lograr
demonstrar que o animal surgiu de forma para si incontrolável ou que o mesmo foi
aí colocado, negligente ou intencionalmente, por outrem (isto é, se demonstrar que
a intromissão do animal na via não lhe é, de todo, imputável).
III. Não resultando da matéria apurada que a intensidade do sofrimento extravasa o
âmbito dos simples e normais incómodos, arrelias e desconforto e que atinja gravi-
dade que o diferencie, em termos de exuberância, daquele que é normalmente sen-
tido por qualquer pessoa em casos idênticos (isto é, que de acordo com um critério

sofrimentos do quotidiano social - normais situações psicológicas negativas), tem de
concluir-se que o dano não patrimonial não merece a tutela do direito.
Ramos Lopes | Manuel Bargado | Helena Meio
RPDC, Junho de 2013, n.º 74
222
RPDC
Revista Portuguesa
de Direito do Consumo
ACIDENTE DE VIAÇÃO
Acórdão de 18 de Dezembro de 2012 – Tribunal da Relação de Guimarães
(Colectânea de Jurisprudência – ano XXXVII – Tomo V/2012, p. 271-278)
Auto-estrada / Pedra / Presunção / Ónus da prova / Intervenção das autoridades
policiais
I. Do art. 12.°, n.° 1, da Lei n.° 24/2007, de 18 de julho – ao prever que o ónus da prova
do cumprimento das obrigações de segurança cabe à concessionária da auto-estrada

doutrinária e jurisprudencial que já anteriormente defendia a natureza contratual da
responsabilidade da concessionária perante os utentes daquelas rodovias, colocando
assim cobro à querela tradicional.
II. Aquela norma constitui um comando de natureza excecional, à semelhança do
art. 493.°, n.° 1, do Código Civil, criado por razões de equidade na distribuição do
ónus da prova e, exclusivamente, para as situações ali previstas.
III. O ónus de prova do cumprimento das obrigações de segurança pertence à concessio-
nária e esta só afastará a presunção de incumprimento se demonstrar que a existência
e interferência de uma pedra na via, com colisão num veículo, não lhe é, de todo,
imputável, sendo atribuível a outrem ou a força maior, tendo de estabelecer positi-
vamente qual o evento concreto, alheio ao mundo da sua imputabilidade moral que
não lhe deixou realizar o cumprimento.
IV. Não pode o A. lesado, que alegou e provou a intervenção policial, ser penalizado pelo
facto de, sem culpa sua, aquela autoridade não se ter deslocado ao local do acidente

ACIDENTE DE VIAÇÃO
Acórdão de 18 de Dezembro de 2012 – Supremo Tribunal de Justiça
(Colectânea de Jurisprudência – ano XX – tomo III/2012, p. 166-168)

223
RPDC, Junho de 2013, n.º 74
RPDC
Revista Portuguesa
de Direito do Consumo
Em caso de morte ou de lesões corporais, o FGA garante sempre a indemnização devi-
da, mesmo quando, por ser desconhecido o responsável, não possa inferir-se que o
acidente de viação foi causado por veículo sujeito a seguro obrigatório ou não possa
provar-se que se encontra matriculado em Portugal ou em países em que não existe
gabinete ou que a ele não tenham aderido.
ACÇÃO DE REIVINDICAÇÃO
Acórdão de 6 de Novembro de 2012 – Tribunal da Relação de Lisboa
(Colectânea de Jurisprudência – ano XXXVII – Tomo V/2012, p. 288)
             
administrativa / Constitucionalidade material
I. A causa de pedir na acção de reivindicação (acção real) é o facto jurídico de que deriva
o direito de propriedade.
II. Se o autor invoca como título do seu direito uma forma de aquisição originária da
propriedade, apenas precisará de provar os factos de que emerge o seu direito. Se,
porém, a aquisição é derivada, não basta provar, por exemplo, que comprou a coisa,
pois a compra e venda não se pode considerar constitutiva do direito de propriedade,
mas apenas translativa desse direito, sendo preciso provar que o direito já existia no
transmitente.
III. A posse precária, em nome de outrem, pode ser substituída por uma posse em nome
próprio, boa para usucapião, desde que ocorra a inversão do título da posse.

administrativa para efeitos de registo predial, não são materialmente inconstitucio-
nais por violação do art. 62.° da CRP.
Roque Nogueira | Pimentel Marcos | Tomé Gomes

Para continuar a ler

PEÇA SUA AVALIAÇÃO