Observare UAL - Congresso Internacional Tendências Internacionais e a Posição de Portugal 16-18 Novembro 2011 - Tendências Internacionais e Nacionais da Política de Protecção dos Consumidores

Autor:J. Pegado Liz
Cargo:Advogado
Páginas:11-66
 
TRECHO GRÁTIS
11
RPDC, Junho de 2013, n.º 74
RPDC
Revista Portuguesa
de Direito do Consumo
DOUTRINA
TENDÊNCIAS INTERNACIONAIS E NACIONAIS DA
POLÍTICA DE PROTECÇÃO DOS CONSUMIDORES
OBSERVARE UAL
CONGRESSO INTERNACIONAL
TENDENCIAS INTERNACIONAIS
E A POSIÇÃO DE PORTUGAL
Jorge PEGADO LIZ
Advogado
Conselheiro do Comité Económico e Social
Europeu (CESE) em representação dos
consumidores
Presidente da Comissão Consultiva das
Mutações Industriais (CCMI), Bruxelas.
RPDC, Junho de 2013, n.º 74
12
RPDC
Revista Portuguesa
de Direito do Consumo
16-18 NOVEMBRO 2011
1. INTRODUÇÃO: CONSUMIDORES, UMA QUESTAO DE MODA?
1.1. Tem-se, recentemente, vindo a ouvir, cada vez com mais inusitada frequência,
nos meios bem pensantes europeus, que a protecção dos consumidores teria passado de
moda e que, com as leis já existentes (o chamado “acervo comunitário”), os consumido-
res europeus até estariam superprotegidos, por comparação com o que se passa no resto
do mundo. Esta “moda” de dizer que as questões dos consumidores “passaram de moda”
não é inocente nem surge por acaso no momento de crise que vivemos, antes tem raizes
ideológicas profundas, alimentadas por uma bem orquestrada orientação política de que
a Comissão se tem erigido como epígono e a que a generalidade dos estados-membros
se tem invertebradamente submetido. Dela se procura dar uma ideia fundamentada no
ponto 2 deste escrito.
1.2. Portugal, que depois da Revolução de Abril, chegou a estar no primeiro plano
da inovação e do progresso nas políticas de defesa e protecção dos consumidores, não
-

situação de, no Programa do seu último Governo, não existir uma referência sequer a
uma política dos consumidores. Desta situação se dará conta no ponto 3 deste papel.
1.3. Trata-se, no entanto, de uma visão totalmente errada e errónea, quer nos seus
pressupostos de facto, quer nos juizos em que assenta, nomeadamente pelo que se re-
fere à comparação do que é hoje o direito e a política dos consumidores na Europa – e
a Europa não é um todo uniforme e ainda menos coerente – e o que se passa fora da
Europa, quer em alguns países de tradições bem arreigadas, como os EUA, quer em vá-
rios paises emergentes um pouco por todo o lado, no resto do mundo. Do que são hoje
a defesa e a protecção dos consumidores em certos mercados regionais mundiais se dá
conta breve no ponto 4 deste documento.
1.4. No ponto 5 procuram esquissar-se alguns dos parametros fundamentais para
uma nova visão, uma nova aproximação e um novo impulso ao direito e à política dos
13
RPDC, Junho de 2013, n.º 74
RPDC
Revista Portuguesa
de Direito do Consumo
consumidores para uma Europa em profunda crise no dealbar do seculo XXI e no hori-
zonte de 2050.
2. AS MAIS RECENTES TENDENCIAS EUROPEIAS NA DEFINIÇÃO DE UMA PO-
LITICA E DE UM DIREITO DOS CONSUMIDORES
2.1 Foi particularmente num texto produzido como suporte de uma conferência rea-
lizada no Canadá, que tive a o
das principais etapas da evolução da política e do direito europeus do consumo e onde
  1 co-
meçou a “idade do bronze”, que representa efectivamente um retrocesso na política dos
consumidores”.
A protecção dos consumidores, que se vira reconhecida no Tratado da União Euro-
peia como política comunitária de pleno direito, primeiro com o artigo 129-A, introdu-
zido em Maastricht, e posteriormente com a sua transformação no artigo 153, com o
Tratado de Amesterdão2, e encontrara na Comissária Emma Bonino o melhor paladino
da sua vocação como política de defesa de fundamentais direitos de cidadania, com ca-
1
2 A nova redacção dada ao artigo 129.°-A do Tratado, tem o seguinte teor:

a Comunidade contribuirá para a protecção da saúde, da segurança e dos interesses económicos dos
consumidores, bem como para a promoção do seu direito à informação, à educação e à organização
para a defesa dos seus interesses.

demais políticas e acções da Comunidade.
3. A Comunidade contribuirá para a realização dos objectivos a que se refere o n.°1 através de:
a) Medidas adoptadas em aplicação do artigo 95.° no âmbito da realização do mercdo interno;
b) Medidas de apoio, complemento e acompanhamento da política seguida pelos Estados-membros.
4. O Conselho, deliberando nos termos do artigo 251.° e após consulta ao Comité Económico e
Social, adoptará as medidas previstas na alínea b) do n.°3.

Para continuar a ler

PEÇA SUA AVALIAÇÃO