Posfácio

Autor:Helder Martins Leitão
Cargo do Autor:Advogado
Páginas:253-253

Page 253

Ao longo dos nossos já longos anos de escrita sobre temas jurídicos, temos procurado, se calhar sem êxito, dar à redacção uma cor menos cinzenta da que promana do Direito.

Naturalmente, sem qualquer desvio do rigor técnico a que deve presidir este tipo de trabalhos.

E, temos feito esse esforço, salpicando o texto com citações provindas doutras áreas, desde a literatura à arte.

Até porque entendemos que já foi há muito o tempo da compartimentação estanque; hoje tudo é transversal.

Mas, mesmo assim, ainda assim, a cor predominante se não é a cinzenta é, pelo menos, o cinzentão.

Porque são assim os assuntos em que temos de tocar, porque são assim os agentes da justiça, uns ortorrômbicos, frígidos, sem alma e sem coração709 que tendo-se por omniscientes e omnipotentes, não deixam que algo medre num espaço de x metros à sua volta.

É um divórcio irreversível entre dois mundos, quando jamais o deveria ser.

O que vale é a música, é a arte, é a literatura e a poesia.

Quando estavamos a redigir o trabalho que ficou nas páginas anteriores, faleceu Mário Cesariny.710

Pois, é precisamente, deste ímpar e último dos últimos surrealistas, que vos deixo, para amenizar a nossa amarga justiça, o seguinte poema:

Lembra-te que todos os momentos que nos coroaram todas as estradas radiosas que abrimos irão achando sem fim seu ansioso lugar seu botão de florir o horizonte e que dessa procura extenuante e...

Para continuar a ler

PEÇA SUA AVALIAÇÃO